segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos


Na sexta à noite fui dormir cedo, pois estava meio cansado.







Quando foi no sábado, me programei para acordar cedo e sair de casa para assistir ao filme Cidade dos Ossos.

Fiz toda a minha maratona de ônibus, trem e metrô, ouvindo músicas de heavy metal e comecei a ler o livro que tinha comprado uns dias atrás, chamado O Morro dos Ventos Uivantes

Quando comecei a ler, tive a impressão de já ter lido o livro antes. De qualquer maneira, li quase a metade do livro durante minha viagem de trem.

Tive dificuldade de encontrar o filme legendado no horário da tarde, então resolvi ir novamente no Shopping Santa Cruz. Peguei a primeira sessão que estava com pouquíssimas pessoas. O começo foi meio tumultuado, porque tinha gente conversando durante o trailer, mas depois, deu uma acalmada.

Sinopse do filme:
A história se passa em Nova York. 

Clary (Lily Collins) é uma garota que nasceu e viveu toda sua vida no bairro do Brooklyn. 


Ela descobre que tem o dom da visão e, por isso, consegue enxergar o Mundo de Sombras, que se encontra escondido nas ruas da cidade e de todo o mundo.

O filme tinha de tudo. Bruxas, vampiros e lobisomens. Só faltou ETs, zumbis e duendes. Estava ansioso para assistir esse filme. 

Foi um dos melhores filmes que assisti este ano, apesar de não ser de terror. A atriz roubou a cena o tempo todo. Mesmo tendo um elenco de carinhas bonitos. 

Já havia assistido o filme Sem Saída e Padre, com essa garota. Acho que ela logo logo ganhará um Oscar, que nem a Jennifer Lawrence.

Depois de muita aventura, me mandei para a livraria para conferir as novidades. Em seguida, tomei o metrô para a Barra Funda e fui até a livraria do West Plaza.

Quando cheguei no terminal, tinha um carinha de pernas grossas, brancas e peludas. Pena que estava de tênis. Devia calçar 42. Não deu para ver seus pés, mas reparei que suas mãos eram grandes, brancas e bem rosadas. Devia ter os pés bem macios.

No caminho, passei em frente a um prédio que tinha uma nuvem de insetos no gramado. 


Passei na livraria e comprei a terceira temporada do Glee em homenagem ao Cory Monteith. Quero me dar ao luxo de assistir ao Glee em boa definição. 

Aproveitei e comprei uma revista e depois fui até o supermercado do Shopping Bourbon.



No caminho, vi muitos caras bonitos e com chinelos. Mas não fiquei com vontade de filmar e nem fotografar ninguém. Depois que comprei minhas coisas, me mandei para a minha maratona de volta.

Peguei o trem lotado, e fui espremido perto da porta. Fui lendo a viagem toda e escutando música. Tinha uma mulher bêbada e estava com cheiro de vômito. 

Acho que havia terminado o namoro. Foi uma viagem bem cansativa. No meio da viagem, ficou um coroa atrás de mim, que de vez em quando, encostava sua mãozona macia em cima da minha.

Quando saí do Shopping Santa Cruz, o tempo havia esfriado um pouco. 

Mas quando cheguei na minha cidade, a temperatura estava uns 21ºC. Tomei o busão e fui sentado a maior parte da viagem. Tentei dar uns cochilos até chegar no terminal do bairro. Tomei o outro busão cheio e acabei indo em pé.

Chegando em casa, tomei banho, comi e fui assistir um pouco de TV. Depois fui dormir. Dessa vez não pensei em ninguém.

Beijos nos pés!