quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Cuidados básicos para os pés (1ª Parte)

Apesar de ser celebrado objeto de fetiche, os pés muitas vezes são deixados em segundo plano na agenda de planejamento estético. Nada mais comum, em se tratando de dores nos pés, que assumir o problema como parte da vida. São necessárias mudanças da filosofia cotidiana para evitar que o mal se instale.

A estrutura dos pés é composta por 56 ossos (mais de 25% do total do corpo humano) e por um conjunto amplo de músculos e tendões que atua na sustentação do nosso peso. Por isso, além da beleza estética, cuidar da região é tratar com respeito órgãos que nos sustentam na vida.

Mas se o senso comum alerta para que mantenhamos uma especial atenção com os pés, na prática a coisa muda de figura.

A grande maioria dos problemas que afligem os pés vem do mau trato cotidiano e da ausência de um exame regular de prevenção.

Os problemas, na maioria das vezes, variam em intensidade de acordo com o momento em que a situação já comprometedora é detectada. Quanto antes, a solução é mais rápida e eficaz.

Fuja dos calos
A grande maioria de doenças que afligem os pés vem mesmo do mau trato cotidiano que damos a ele, somados ao mau uso dos calçados.

Meia apertada, sapato inadequado, falta de higiene local, pele seca em excesso, tudo pode provocar alguma anomalia.

O calo, por exemplo, é uma resposta de defesa do organismo contra o atrito com outra superfície. Uma produção em excesso de células mortas (queratose) que se sobrepõe ao tecido serve para protegê-lo. A dor advém da pressão que essa hiperqueratose faz em uma ou mais terminações nervosas do pé.

Mantenha as unhas aparadas

Os espaços entre os dedos e as unhas são regiões que merecem cuidados especiais. Se não mantidos secos e limpos, há uma predisposição ao aparecimento de doenças provocadas por fungos. Já a unha precisa de atenção redobrada. O correto é que sejam sempre mantidas aparadas e que não sofram pressão forte de outras superfícies.
As cutículas

As cutículas não devem ser retiradas, pois atuam como protetoras da região. Sem elas, há maior possibilidade da instalação de processos inflamatórios, alguns bastante graves, como a paroníquea aguda, que acaba definitivamente com o crescimento das mesmas. Em alguns países europeus, é proibida por legislação a retirada das cutículas.

Evite sequelas

Há uma outra questão bastante preocupante em relação aos pés e ao tratamento dado às doenças por alguns especialistas. A unha inflamada, por exemplo, tem tratamento simples a partir de remédios e outros cuidados específicos, mas alguns optam por retirá-la. O que pode gerar o nascimento de unha encravada e maior infecção. O conselho é que ao procurar uma clínica especializada, busque antes referências. Várias das que existem no mercado não contam com especialistas e não são raros os casos de pessoas que terminaram um tratamento específico e tiveram de iniciar outro para sanar as sequelas.

Para tudo existe uma solução

Quanto às questões mais específicas, como os problemas circulatórios que provocam inchaço e dor aguda nos pés, é necessário consultar um médico especializado e não um podólogo.

Cuidados básicos para prevenir problemas

Lave os pés todo dia optando, se possível, por um sabonete neutro.
Seque muito bem os espaços entre os dedos, optando sempre por uma toalha macia.

Examine os pés todos os dias e procure ajuda logo que surgir um calo ou qualquer tipo de inflamação ou infecção.
A pele demasiadamente seca tem maior propensão a doenças. Procure hidratá-la com produtos específicos.
O mesmo vale para aquela transpiração excessiva.

Calçados sempre limpos são essenciais.

Sempre que possível, fique descalço para o pé respirar.

Na hora das compras, escolha sempre sapatos confortáveis.

Quanto mais adequado ele for à atividade em que será usado, mais conforto e menor dor na cabeça.

O sapato de salto é o inimigo número 1 da saúde dos pés. Isso porque ele empurra todo o peso do corpo para o antepé, comprometendo, com o passar dos anos, a estrutura completa. Por isso, só use o sapato de salto quando a situação de fato exigir. Não force a barra só para manter a linha, isso poderá ser fatal.

Fonte: GMagazine, por Marcos Abreu.

Beijos nos pés!