sábado, 12 de novembro de 2011

Amigo de balada

Alguns anos atrás, fui numa balada no centro de São Paulo. Lá tem bares com música ao vivo e karaokês. Também tem inferninhos com bandas não muito conhecidas, porém, suas músicas são de boa qualidade. Certa vez, conheci um cara chamado Moacyr. Ele é um pouco mais velho que eu. Fiz amizade com ele logo de cara.

Assim como no amor existe alma gêmea, certas amizades também duram para sempre. Começamos a conversar sobre vários assuntos e chegamos a conclusão de que temos gostos bem parecidos em muitas coisas. Sinto por ele não ter tido a oportunidade de ter feito uma faculdade, pois ele tem um emprego bem modesto. Ganha pouco e trabalha muito! Às vezes precisa cobrir a folga de outra pessoa no fim de semana.

O mais curioso de tudo, é que ele mora em Guarulhos. Vivi lá por um bom tempo. Morei na infância e na pós adolescência. Fiz grandes amizades, mas nunca esbarrei com ele. Por ironia do destino, fui conhecê-lo no centro de São Paulo em uma balada da vida.

Ele é o tipo de amigo que a gente pode contar sempre que precisar. O mais interessante é que ele não tem interesse nenhum. Ele sabe ouvir e também sabe a hora de falar. De todos os meus amigos que tenho e tive, ele é o mais confiável de todos. Aquela pessoa acima de qualquer suspeita. Só sabe fazer o bem. Tenho tanto para contar sobre ele. Talvez um dia conte mais coisas interessantes.


No fim de semana passado, nos encontramos na balada e conversamos bastante. Sentamos para colocar o papo em dia. Pretendo viajar no fim do ano, mas se não mudar de planos, combinamos de nos encontrar no réveillon da Paulista. Espero que nos encontremos antes disso.


Certa vez passei o natal e o réveillon com ele. Temos tanta intimidade que já nos vimos nus. O único amigo que me viu nu foi ele. Eu também o vi. Apesar de nossa nudez, somos apenas bons amigos. Quando ele me conta seus sofrimentos da vida, chego até a me emocionar. Rezo a Deus para conservá-lo com saúde por longos anos.

Apesar de não ter ficado com ninguém nesta última balada que fui, valeu muito a pena por ter me encontrado com ele.

As verdadeiras amizades são como estrelas: não as vemos todas as horas, mas sabemos que elas existem.

Dedico esse post ao meu grande amigo estrelar chamado Moacyr.

Beijos nos pés!