terça-feira, 12 de junho de 2012

Dia dos namorados

Nosso cérebro congela e deixa de enxergar que as campanhas publicitárias visam lucro e que os romances estrelados findam na maioria das vezes junto com a novela.


“Sentir-se rejeitado representa um tremendo golpe no amor-próprio. Você pára de se achar aceito e querido, e sim, preterido, discriminado e humilhado”, diz o psicólogo e psicoterapeuta Marco Antonio De Tommaso.


A grande sacada é perceber que as causas que desencadeiam tantas emoções negativas costumam ser, na maioria das vezes, apenas imaginárias. Nossa experiência no mundo vai muito além do que sugerem as datas convencionadas no calendário.


Muita gente que namora, acha uma chatice a imposição de dar um presente nessa data, porque está sem dinheiro, tempo ou inspiração. O amor pode ser reafirmado com gestos carinhosos em qualquer dia do ano.


Não focalize a atenção somente no que falta para ser feliz, mas nas próprias conquistas. Ter alguém é muito bom, mas definitivamente não substitui tudo de que precisamos.

Dicas para quem está sozinho nesse dia:


Convide uns amigos solteiros para uma rodada em um bar.

Reúna uns amigos na sua casa, com direito a champanhe e jantar caprichado. Convide somente solteiros. Pode-se fazer um amigo-secreto.


Pense na economia que fará por não ter que comprar presente. Use esse dinheiro para viajar ou comprar algo para você.

Nunca esqueça que procurar alguém para amar e ser amado não tem hora para começar.

Só exige alegria de viver e disponibilidade.


Fonte: Revista Nova, 06/2008.

Beijos nos pés!