sábado, 23 de julho de 2011

A praia

Por todo o tempo que morei em Santos, poucas vezes fui à praia. Teve um dia que sai do trabalho e resolvi dar uma caminhada pela orla. Tinha até me esquecido das coisas boas que existem lá. Era cinco e meia, horário de verão. O sol não estava muito forte. A praia estava começando a esvaziar. Não era fim de semana e nem época de férias. Tirei os sapatos e fiquei descalço. De longe avistei um homem bonito, coroa quarentão, andando todo na social.


Parecia também triste e preocupado, mas o que mais me chamou a atenção foi seus lindos pés. Eram bem grandes, brancos e rosados. A pele parecia bem macia. Fiquei imaginando aquela delícia junto aos meus.




Andei até a ponta da praia, quando estava chegando bem próximo, avistei um surfista saindo da água. Nunca tinha visto surfista aquele horário. Geralmente os caras pegam onda de manhã cedo.


Em todo caso, também reparei no gato do surfista. Estava só de bermudas. Tinha pernas grossas e peludas. Tatuagem nos tornozelos e braços. Tinha protetor solar no nariz, daqueles que ficam a marca branca. Não entendo como ainda tem gente que usa esses cremes.
Mais adiante, encontrei um carinha deitado numa cadeira de praia. Ele roçava os pés na areia. Não consegui resisti e me aproximei para olhar aquela formosura de pés bem de perto. Tentei não dar muita bandeira, principalmente porque tinha percebido que na cadeira ao lado, havia coisas de mulher. Provavelmente, coisas de sua namorada.

Se tivesse uma máquina, tinha criado coragem e pedido para fotografar os pés do carinha. Sou louco por pés, mas esses que vi, eram os melhores que tinha visto. Queria muito ter sentido aquela preciosidade roçando pelas minhas pernas. Arrepio só de lembrar. Seus pés eram grandes e bem gordinhos. Devia calçar 42. Eram brancos com sola rosada. As unhas estavam bem curtas e limpas. Tem homens que se desleixam com as unhas dos pés, mas esse, tinha unhas perfeitas.

Enquanto caminhava em sua direção, analisava o tempo todo. Mesmo estando de óculos escuros, acho que ele percebeu meu interesse pelos seus pés. Quando cheguei perto, ele me encarou e fechou os olhos para disfarçar. Fez de conta que estava dormindo.


Aí eu aproveitei e olhei para suas pernas. Também eram muito bonitas. Reparei que estava sem camisa e tinha um rosto limpo, sem barba. Devia ter uns vinte e poucos anos. Passei por ele, e depois discretamente, olhei para trás.
Tem gente que gosta de pé, tem gente que gosta de bunda, outros gostam de braços ou então, pernas. Conheço gente que tem tara por costas largas! Eu gosto também de mãos. Sentir umas mãos macias e quentes, acariciando meu corpo, principalmente no frio. É muito bom! Podem proporcionar muito prazer. Cada pessoa tem suas preferências. Assim como homens gostam de mulher, existem os que gostam de outros homens.

Continuando meu passeio, encontrei uma turminha de guris esticados nas cadeiras. Todos estavam com as pernas esticadas e deu para ver muito bem seus pés. Difícil escolher qual o mais bonito. Estava dentro da água, e fiquei só avistando os caras de longe. Espero não ter dado bandeira. Teve um que ficou me olhando o tempo todo.


Outro ficou conversando e olhava para as gurias que passavam em sua frente. Outro estava só no cochilo. Quase nunca ia à praia, mas esse dia vai ficar em minha memória. Sinto só por não ter tirado fotos dos pés de todos aqueles pezões!
Beijos nos pés!