segunda-feira, 15 de julho de 2013

Rio 2013 – Meia Maratona


Depois de ter passado a noite com um francês, um catarinense e duas dinamarquesas, acordei cedo e fui tomar banho. Desci para comer e a gatinha veio correndo pedir por salgadinho. Mas não tinha nada para dar. 

Enquanto comia, o hóspede americano cantava jazz & blues. Estava com seu fone de ouvido e ficava cantarolando bem alto. 




Adorei ouvi-lo, mas o hóspede cri-cri não gostou nadinha. 

Só de birra, ele colocou um CD do Djavan para tocar no aparelho de som. Então o americano tirou o seu fone de ouvido, desligou seu aparelho e começou a cantar as músicas do Djavan. Fiquei afônico, porque nem eu sei cantar as músicas dele. 



Percebi que só a recepcionista conversava com ele, então o convidei para a Meia Maratona, mas ele não quis ir. Então me mandei.

Passei no Banco para sacar dinheiro e depois tomei o busão para o Leblon. Desci e fui andando até a ponta da praia. Avistei uma escultura, mas não tirei foto. Fiquei acompanhando o pessoal da maratona, mas apenas caminhava ao lado deles para dar uma força. 

Passei por um carinha que era a cara do Ryan Gosling. O cara me deixou de queixo caído. Pensei que fosse ele. Passei por ele e depois virei para trás para dar uma conferida no cara de costas. 

Lembrei de uma colega da faculdade que era lésbica e adorava olhar para o traseiro das meninas.

Passei por uma turminha que jogava vôlei, mas não consegui tirar uma foto decente. Avistei um monte de coroas de sungas que tinham corpos bem bonitos. Alguns estavam com barriguinha de chopp, e outros bem sarados.

Vi muitas beldades, mas um casal deitado de costas me chamou a atenção. O cara tinha um solão grande e rosado. 

Estava com seu pezão bem perto do pezinho da mulher que era quase a metade do dele. 




Fiquei com vontade de me aproximar para fotografar a sola do casal, mas não quis tirar o tênis. Então continuei andando.

Encontrei um trintão com uma baita perna grossa e peluda. Tinha um solão bem rosado. Não resisti e me aproximei dele discretamente e tirei uma foto. Tive que ir de tênis mesmo, porque não queria tirá-lo e muito menos sujar o meu pezinho. 

Depois comecei a ter insolação e me mandei para o Shopping Leblon. Fui conferir o que passava no cinema e estava tendo uma festinha particular. 

Como já estava no fim da festa, entrei para admirar a vista que dava para uns prédios. Depois comprei coisas para comer e voltei para o calçadão. Sentei para comer e fiquei admirando a paisagem.

Passou um carinha bem branquinho, peito musculoso, pernas bem grossas e peludas. O pezão do cara devia ser 44. Grande e bem largo. Era rosado como um algodão doce.

Em seguida, passou um leke de uns vinte anos. Tinha uma bela tatuagem no braço e no tornozelo. 

Apesar das pernas grossas e peludas, o cara tinha um peito lisinho e musculoso. Devia fazer muita academia. Seus pés eram 42 e bem branquinhos.

Vi uma moça de patins empurrando uma cadeira de rodas, vi muitos skatistas, inclusive um estava descalço e fez uma pirueta bem próximo de mim. Passou um carinha com um tipo de skate diferente. 





Cada pé usava um skate com uma única rodinha. Parecia um malabarista. 

Outro passou com um skate motorizado e muitos ciclistas descalços ou com chinelos. Também vi patinete e triciclo. Passou um carinha com uma bermuda linda. 

Era moreno claro, cabelos cacheados e molhados, parecia um anjo, pernas grossas e bem peludas, e tinha uma sola bem rosada.

Enquanto caminhava em direção a Ipanema, vi uma turminha se equilibrando em um elástico. Passei por uma área de proteção ambiental e fotografei várias aranhas. Notei que tinham muitos homens bonitos que jogavam vôlei, ping pong e futebol na areia.

Enquanto apreciava um carinha de caiaque, passou uns cinco golfinhos. A praia parou para ver os bichinhos que não se importavam muito com a gente. Depois fui até a Praça Millôr e subi até a Pedra do Arpoador. Muitos pés e pernas peludas. Não deu para fotografar ninguém.

Depois fui para a parada de ônibus para ir até o cemitério visitar o túmulo do Cazuza.

Amanhã continuo contando o que se passou lá.

Beijos nos pés!