quinta-feira, 18 de julho de 2013

Rio 2013 – Niterói


Amanheceu o dia e fiquei com preguiça de levantar cedo. Logo depois que acordei, o alemão desceu do beliche. 

Quase encostou sua solona na minha sola. Depois de um tempo, o argentino peludo levantou. Ouvi quando ele desceu e acabei virando sem querer. Ele estava parado me olhando, então desvirei de novo para a parede. Notei que estava de bermuda e sem camisa. 


A bendita camisa que ele tirou e colocou perto de mim, me embriagou a noite inteira. Acordei com um tesão danado e quase gozei.



Levantei e tomei banho. Comi e me mandei para Niterói. Peguei o busão até a barca. Depois peguei a barca e fui conversando com um carinha bonitinho, pena que era cabeludo. Ele fazia faculdade lá.

Fui em direção ao Museu de Arte Contemporânea e passei pelo centro da cidade. Tinha muita coisa barata. 






Comprei uma camiseta. Depois fui até o Plaza Shopping e fiquei apaixonado. Visitei uma livraria e comprei alguns livros em promoção. 

Comprei Primo Basílio e uns livros de Anatomia. Passei por uma loja da John John no qual tinha uma imagem do Joshua Bowman. Quase tirei uma foto junto com ele. A imagem era de tamanho real, e vi quão lindo é esse carinha. O argentino peludo lembra um pouco ele. Adoro assistir Revenge só por causa do Josh.

Depois comi e fui andando rumo ao MAC. Passei pelo Campus e vi muitas beldades. Fui por uma avenida e passei por uma área militar e depois uma praia que era imprópria para tomar banho. 

Mas tinha muita gente pescando. Até que cheguei no MAC, mas estava fechado, pois era segunda. Então filmei e fotografei. Depois desci uma avenida até o ponto de ônibus. 

Encontrei com dois senhores da terceira idade que me deram informações de como pegar o busão direto para o Rio. Tomei o 740 que passa por várias praias da zona sul.

Quando subi, sentei na primeira poltrona e fui admirando a paisagem. Tinha um carinha vem bonitinho atrás de mim. 

Passei pela ponte Rio – Niterói. Depois desci na Praia de Botafogo e andei até o HostelQuando entrei, tinha um casal americano. Cumprimentei e fui logo tomar banho.

Tentei conversar com o francês, mas ele realmente é muito genioso. Por isso que o pessoal chamava ele de Sr. Cricri.





Depois de um tempo, a santista chegou. Começamos a conversar. Teve uma hora que eu estava guardando alguma coisa no armário, aí o americano passou por mim e deu uma cheirada. 

Acho que gostou e passou novamente e cheirou meu cangote. Na segunda vez tive que dar risada. Não sei se ele era casado com a mulher que estava com ele. De qualquer forma o cara não fazia o meu tipo.


Depois de um tempo, desci para comer, e quando subi novamente, ele estava conversando com os argentinos. Ele estava sentado no terceiro andar do triliche. Reparei que era loirinho de olhos azuis. 

Tinha o cabelo bem lisinho. Mas era muito magrinho. Reparei em suas pernas que tinham poucos pelos, e que estava usando meias brancas com bordas amarelas. Tinha os pés magros e devia calçar uns 42. Parecia O Pequeno Príncipe, mas não me deu tesão em nada.

Amanhã continuo falando sobre os argentinos.

Beijos nos pés!