sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Curiosidades sobre o beijo (1ª Parte)

A ciência que estuda o beijo chama-se filematologia.
O medo de beijar é chamado de filemafobia ou filematofobia.

O que no reino Unido e nos Estados Unidos é conhecido como beijo francês (beijo de língua), na França é chamado de beijo inglês.

Os casais, quando se beijam, chegam a trocar 278 colônias de bactérias.
Como a febre glandular (uma virose também conhecida como mononucleose infecciosa) se dissemina facilmente pela saliva, ela é conhecida como a doença do beijo prolongado.

Se você está dentro da média, gastará algo como duas semanas da sua vida beijando.
Um beijo apaixonado ajuda a emagrecer. Ele queima 6,4 calorias por minuto.

Se um padre, ao celebrar um casamento, em vez de “pode beijar a noiva”, diria: “Pode executar a justaposição anatômica dos dois músculos orbiculares da boca no estado de contração”. Talvez não seja uma frase romântica, mas é a descrição científica de um beijo.


A polêmica escultura O Beijo, de Rodin, uma das mais importantes de todos os tempos, que reproduz dois amantes nus com bocas coladas, foi concluída em 1886.
Assim como traz descrições de posições sexuais, o clássico livro erótico indiano Kama Sutra mostra vinte formas diferentes de beijar.

Amanhã tem mais curiosidades!

Beijos nos pés!