segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Rolê pelo centro de São Paulo

Fim de semana passado fui para Sampa. Na ida de ônibus até a estação de trem, fiquei bem próximo de um carinha. Era bem alto. Não era gordinho, mas tinha seu charme. Estava só de bermuda e tinha um pernão com muitos pelos. Sua perna direita tinha uma tatuagem colorida muito bonita. Não deu para reparar muito no desenho. Só reparei que ele tinha um baita pezão. Devia ser 44. Parecia uma prancha de surf. Como queria surfar naquela sola. Devia ser muito macia e gostosa. O cara ficou ouvindo seu MP3.
 
Na hora de descer no terminal, o cara sem querer roçou sua mão por cima da minha. Foram segundos prazerosos. Aquela mãozona quente e macia. Seus dedos eram grossos e as unhas bem feitas. Devia fazer uma massagem como nunca! Quando desci do ônibus, tive que colocar minha mochila na frente, porque meu pau tinha levantado e dava para ver o volume. Mãos e pés me deixam excitados.

Andei pela São Bento e o Vale do Anhangabaú. Vi muitas pernas e pés deliciosos. Sem contar que vi os músicos de rua que tocavam seus instrumentos maravilhosos. Vi um que tocava uma espécie de bateria que tinha umas mãos lindas. Nem parecia músico de rua.


Quantas pessoas talentosas que vivem por aí como andarilhos. Ah, se as pessoas soubessam dos talentos escondidos. O mundo seria uma música.


Como é bom o verão. Poder apreciar toda a masculinidade dos homens. Apesar da capital não ter praia, os machos de plantão não deixam por menos.

Passei pela galeria do rock. Sem comentários! Além de muitas coisas novas, discos, MP3 e coisas do gênero, muitos caras tatuados, com jaquetas sem mangas, skates, pernas e mais pernas peludas, sem contar com os braços cheios de tatuagens e pulseiras de metaleiros. Uma vez fiquei com um metaleiro que foi tudo de bom.

Passei pela galeria Pagé que estava lotada. Achei que tivesse acontecido algo. Muitos grupos de pessoas se reuniam em frente. Fora os transeuntes que circulavam por lá.

Visitei um prédio comercial no Anhangabaú que tinha muitas lojas. Enquanto estava nas Lojas Americanas, vi muitas beldades de bermuda e chinelo. Me deu até vontade de comprar um. Enquanto procurava um chinelo novo para comprar, surgiu do nada um tiozão só de bermuda. Tinha cavanhaque, braços fortes e peludos, pernas grossas e com pelos dourados. Seus pés calçavam uns 42. Pena que estava de tênis e meia. Fiquei imaginando aquele pezão descalço. O cara dava um bom caldo.


Resolvi ir assistir um filme. Fazia tanto tempo. A última vez foi em 2008 com a refilmagem do Massacre da serra elétrica. Resolvi assistir o filme Missão Impossível. O Tom Cruise é um quarentão de babar. Tem uma cena que ele tenta se jogar de um prédio e fica descalço.

Não sei se o pé era do dublê, mais seu corpitcho é de um cara de vinte e poucos.

Amanhã continuo a minha jornada de volta para casa.

Muita coisa aconteceu na volta.
Beijos nos pés!