sábado, 20 de agosto de 2011

O enfermeiro

Num belo sábado à noite, resolvi ir numa balada na Consolação. Chegando lá, encontrei um cara e notei que ele me observava. Fiquei no canto curtindo as músicas. Depois de meia hora, o cara chegou chegando. Perguntou meu nome e foi logo dando uma cheirada em meu cangote. Perguntei o que fazia e ele respondeu que era enfermeiro. Gostei do cara e resolvi dar uma chance. 

Fomos para um lugar mais reservado e nos sentamos em um puff. O cara era bem branco e um pouco acima do peso. Não me importo muito com homens assim. Na realidade, até gosto. Acho excesso de gostosura. 

Sentamos lada a lado e coloquei minha perna sobre a coxa dele. Ele tirou meu sapato e começou a massagear meus pés. Enquanto massageava, tacou um baita beijo de língua. Tinha um gosto bom, engoli muita saliva. Começou a massagear meu antebraço. Passava a mão pelo meu pescoço. Tinha a mão muito macia, afinal, era enfermeiro.

Enquanto ele me beijava, começou a passar a mão na minha mala. Não estava excitado, mas ele insistiu. Então pedi para ele tirar o sapato e a meia e comecei a roçar meu pé em cima dos seus pés. Tinha a pele branca e bem macia. Não tinha pelos. Pedi para ele passar os pés em cima do meu pé. 

Quando senti aquela sola macia, foi ereção instantânea. O cara perguntou se tinha fetiche por pés e disse que sim. Então ele abriu minha calça e começou a me chupar. 

Quanto mais ele roçava em meu pé, mais excitado eu ficava. O cara ficou um tempão chupando. Gostava da coisa. Depois de muito chupar, pediu para eu chupar o dele. 

Mas não quis! Gosto mais de ser chupado. Só deixei o cara me chupar por causa dos pés dele que estavam bem macios. Ele começou a forçar a barra e empurrar minha cabeça na direção de seu pênis, mas não quis! O cara sentiu que não estava mais afim e colocou o sapato e se mandou. Esse é do tipo que goza e vira para o lado.

Beijos nos pés!