quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O milico da academia

Certa vez, na entrada da academia, deparei-me com um carinha todo de farda da aeronáutica. Adoro esses uniformes azuis. Aquele colega da faculdade por quem fui apaixonado era da aeronáutica. Nesse dia, o cara estava de saída. Quando entrei, reparei que ele me deu uma olhada, apesar de estar azarando uma garota, mas não dei muita trela.



Passou alguns dias e entrei no vestiário da academia para trocar de roupa e aproveitei para comer. Comia para fazer hora e aproveitar o máximo a troca de roupa dos caras. Quase nunca via nada. Um ou outro que ficava só de cueca.


Enquanto comia, o milico surgiu não sei de onde. Ou veio da sauna, ou estava tomando banho. Sentou próximo do meu lado. Na outra ponta do banco. Sorriu e me cumprimentou. Me deu um frio na barriga. Aquela sensação de borboletas no estômago. O cara começou a puxar conversa fiada. Dessa vez achei que iria me dar bem.

Enquanto conversava com ele, reparei em suas pernas que eram bem brancas, grossas e peludas. Tinha corpo de macho. Seus braços e antebraços eram fortes. Aquele homem de pegada. Ombros largos. O peito também tinha pelos. A barba estava feita. Acho que milico não pode ficar por barba por fazer. 

Seus pés brancos e rosados deviam ser 42. Adoro esse número. Não muito grande, nem muito pequeno. Acho que se encaixa aos meus que são 40. A conversa rolava bem, até que chegou um carinha para atrapalhar. Acho que o cara também era gay. Quando saiu, ele olhou para o milico e disse “benza a Deus, hein”! O cara riu e continuamos a conversar.

Comecei a trocar de roupa e o cara reparou em meu corpo. Até que entrou alguém. O cara resolveu se trocar também. Na hora que tirou a toalha, fiquei com vergonha de olhá-lo, pois tinha gente no recinto. 

Quando o vi, já estava de cueca. Depois desse dia, o vi mais algumas vezes. Até que me mudei e parei de frequentar a academia.

Amanhã tem mais!

Beijos nos pés!